Notícias

“Anarquia, overdose e orgasmo feminino”, cinebiografia do Mötley Crüe traz algumas das mais obscenas histórias da banda

By 21 de março de 2019 julho 5th, 2019 No Comments

The Dirt: Confissões de Mötley Crüe conta um pouco dos bastidores de uma das maiores e mais folclóricas bandas de Glam Metal/Hard Rock da história

Juliana Lelis

“Um fugitivo, um garoto baterista, um coroa e um cantor de banda cover”, assim são apresentados Nikki Sixx, Tommy Lee, Mick Mars e Vince Neil no trailer da mais nova aposta da gigante de streaming, Netflix, a cinebiografia The Dirt: Confissões de Mötley Crüe. A narrativa estreia amanhã (22) e promete levar o telespectador a uma verdadeira viagem no tempo com algumas das mais infames histórias de uma das bandas precursoras do movimento Glam em Los Angeles nos anos 80. A produção é baseada no livro The Dirt: Confessions of the World’s Most Notorious Rock Band, publicado em 2001 pela editora Harper Collins.


A cinebiografia vem sendo planejada desde 2006, inicialmente com a proposta de ser dirigida pelo escritor Larry Charles, porém, em 2013, o cineasta Jess Tremaine assinou o contrato para a direção e o roteiro da produção ficou a cargo de Erik Olsen e Amanda Adelson.

O elenco conta com: Daniel Webber (Vince Neil), Iwan Rheon (Mick Mars), Douglas Booth (Nikki Sixx) e Machine Gun Kelly (Tommy Lee).

ASCENSÃO METEÓRICA E TOMBOS HOMÉRICOS


Em entrevista, Tommy Lee definiu o roteiro da produção como surreal e preparou os fãs para cenas incríveis do início ao fim. “Especialmente o início do filme, que começa daquela maneira que você vai pensar: ‘Meu Deus, se ele começa assim, ele é doido, e foi realmente uma loucura’”. Segundo spoilers do baterista,logo na abertura podem-se esperar cenas de um orgasmo feminino.

O polêmico quarteto é considerado uma das mais importantes bandas da história do Glam Metal e popularizou uma não tão bem vista vertente do Rock, que posteriormente foi seguida por diversas grandes bandas do cenário, como Skid Row, Cinderella, Poison, dentre outras.

Entretanto, a trajetória do Crüe não foi marcada apenas pela inegável qualidade musical. A polêmica forma dos quatro integrantes curtirem a vida de rockstargerou inúmeros acontecimentos quase folclóricos de tão inacreditáveis e, sem dúvidas, contribuíram para a meteórica ascensão do nome da banda. E essas histórias, já relatadas na biografia do grupo (que não foi lançada no Brasil) são a parte mais aguardada do filme pelos fãs.

De 1981 a 2015, quando realizaram a turnê de despedida, Nikki, Tommy, Mick e Vince estamparam manchetes de jornais com polêmicas como overdose, brigas, incêndio, anarquia, abuso de drogas, álcool e sexo com várias groupies, e até morte.

HEDONISMO AO PÉ DA LETRA


Mötley Crüe sem dúvidas levou o ideal sexo, drogas e rock n’ roll aos mais inacreditáveis extremos e o já conhecido excêntrico estilo de vida do grupo é responsável pela grande expectativa pela estreia da produção cinebiográfica.

Ainda não se sabe quais das bizarras histórias foram escolhidas para este compilado com pouco mais de duas horas, mas podemos aguardar algumas das mais conhecidas e sujas, como: A overdose de Nikki Sixx em Londres, o ringue de luta na lama de Vince Neil, a prisão de Vince após envolvimento em um acidente automobilístico que matou ‘Razzle’, baterista da banda Hanoi Rocks, a saída e o retorno de Vince, a briga com Axl Rose, as camas atiradas pela janela e quarto destruído na Alemanha, agressão a um homem na plateia durante um show no início da carreira, relacionamento de Tommy com Pamela Anderson, Tommy Lee dois meses sem banho, Nikki transado com a namorada de Tommy, dentre inúmeras outras bizarrices.

Neil Strauss, autor da biografia da banda, define a produção como um símbolo de liberdade que pessoas normais não conseguem ter, como alugar uma Ferrari e bater contra a parede apenas por diversão. “O roteiro é maravilhoso, capta todas as loucuras do livro. O filme começa com a cena em que Nikki estava cansado de um punk que não saía da casa da banda, e “pregou” o lóbulo da orelha dele numa mesa”, contou em entrevista ao O Globo.

A estreia é amanhã e pelo trailer, os fãs podem esperar uma produção tão estrondosa como a infame vida da, sem dúvidas, mais polêmica banda do planeta.


TRILHA SONORA


Além da parte visual, a trilha sonora do filme também chama atenção, mesclando grandes sucessos da banda, como ‘Kickstart My Heart’, ‘Shout at the Devil’ e ‘Home Sweet Home’, com músicas inéditas, como a faixa ‘The Dirt (Est. 1981)’, que conta com participação de Machine Gun Kelly, e também (acreditem!) um cover de ‘Like a Virgin’, de Madonna.

01. “The Dirt (Est. 1981)” (feat. Machine Gun Kelly)
02. “Red Hot”
03. “On With The Show”
04. “Live Wire”
05. “Merry-Go-Round”
06. “Take Me To The Top”
07. “Piece Of Your Action”
08. “Shout At The Devil”
09. “Looks That Kill”
10. “Too Young To Fall In Love”
11. “Home Sweet Home”
12. “Girls, Girls, Girls”
13. “Same Ol’ Situation (S.O.S.)”
14. “Kickstart My Heart”
15. “Dr. Feelgood”
16. “Ride With The Devil”
17. “Crash And Burn”
18. “Like A Virgin” (Madonna cover)

Leave a Reply