Skank relembra o passado e traz “Os Três Primeiros” para Divinópolis - #VamosMusicalizar

Skank relembra o passado e traz “Os Três Primeiros” para Divinópolis

Turnê relembra clássicos dos primeiros álbuns da banda mineira


Juliana Lelis

Após mais de 20 anos de carreira, o Skank, banda formada por Samuel Rosa, Henrique Portugal, Lelo Zaneti e Haroldo Ferretti, está em clima de nostalgia e vem deixando este sentimento em todo o país com sua nova turnê, Os Três Primeiros. A proposta da banda mineira é reunir um repertório com os sucessos dos três primeiros álbuns do grupo e proporcionar uma viagem no tempo com clássicos como Garota Nacional, Tão Seu e Pacato Cidadão, porém, sem esquecer de singles não tão estrondosos, como Sem Terra, In(dig)Nação e A Cerca. O show será no dia 13 de abril, às 23h30, na sede campestre do Divinópolis Clube e os últimos ingressos podem ser adquiridos pelo site www.blueticket.com.br

A ideia da turnê surgiu após o lançamento da edição comemorativa dos 20 anos do álbum O Samba Paconé, um marco na história da banda (e da música brasileira). Após alguns shows tocando apenas os clássicos do disco que apresentou Garota Nacional, o grupo sentiu a necessidade de relembrar os três primeiros álbuns, para, assim, celebrar o início de sua trajetória e ampliar o repertório do show. 

Créditos: Diego Ruahn

COERÊNCIA ARTÍSTICA 


Quando o primeiro álbum do grupo foi gravado, ainda de forma independente, os quatro mineiros imaginavam realizar shows por todo o estado e, assim, arrecadar a verba necessária para a segunda produção, porém, após o contrato com a gravadora, os horizontes se ampliaram e a banda já começou emplacando um hit na trilha sonora da novela Olho no Olho, da Rede Globo. 

Para o tecladista Henrique Portugal, além da importância no contexto histórico da banda, a escolha dos três primeiros álbuns para uma turnê comemorativa se deve ao importante momento musical do grupo na época. “Os três primeiros álbuns têm uma coerência artística muito forte, pois foi a época onde escutávamos muita música jamaicana, principalmente o reggae mais eletrônico, que era conhecido como Dance Hall. Por isso fizemos essa escolha”, explicou. 

OH! PACATO CIDADÃO 


Créditos: Diego Ruahn
Durante os anos 90, o Skank representou um importante papel nas grandes movimentações políticas do país e suas letras sempre apresentam resistência e crítica social ao cenário da época. Segundo Portugal, a banda começou em um período de grande inquietação por parte da juventude brasileira e as manifestações eram frequentemente feitas por grandes bandas. “Nós fizemos músicas mostrando nosso posicionamento político e social sobre o que ocorre no Brasil, porém, hoje as coisas são diferentes. Os jovens estão mais antenados e as redes sociais são uma fonte inesgotável de informações a todo o momento. O problema é saber o que é verdade e o que é falso. O posicionamento do artista continua importante, não só em suas músicas, mas também no que ele fala nas redes sociais”, declarou. 

A própria banda foi alvo de uma polêmica com as famosas fake news, quando um usuário do Instagram comentou em uma postagem do vocalista Samuel Rosa, fazendo referência ao preconceito do artista por cantar uma música chamada “Macaco Cidadão”, quando, na verdade, se tratava do clássico Pacato Cidadão

“Achei bem interessante o que aconteceu. As pessoas não estão muito preocupadas em verificar se a informação que estão repassando é verdadeira. Isso às vezes gera um meme, como ocorreu no nosso caso, ou acabam criando um problema baseado em algo que não existe. Há muito tempo algumas pessoas confundem o nome dessa música”, esclareceu. 

HISTÓRIA ANTIGA 


A história do Skank com Divinópolis já é antiga e a cidade já recebeu os belo-horizontinos em diversos momentos da banda. Henrique lembra, inclusive, de uma das apresentações, bem no início do grupo. “Lembro bem do nosso primeiro show, foi na Savassinha, num domingo à noite. Aposto que muita gente que irá neste show esteve no primeiro. Tocaremos muitas canções que fizeram parte deste início da nossa carreira, será um momento muito especial”, completou. 

Sobre o repertório do show, o público pode esperar belas surpresas e o sentimento nostálgico será despertado com os clássicos da banda, mas também com grandes músicas, não tão populares nas rádios. “Este é um ótimo problema do Skank. Nossa carreira é recheada de músicas conhecidas, mas além delas, no setlist atual, procuramos dar visibilidade às músicas que são importantes na nossa carreira, mas que não tiveram tanta visibilidade nas rádios”, finalizou. 

Quem ainda não adquiriu o ingresso é melhor correr, pois alguns setores já estão no terceiro lote. A entrada na área Open Bar é permitida apenas para maiores de 18 anos, já os outros espaços, serão permitidos para maiores de 16 anos.

Language | Idioma

English Spain