Language | Idioma

English Spain

ENTREVISTA: KIKO LOUREIRO (MEGADETH)

Resultado de imagem para usa flag icon png
English

O guitarrista brasileiro Kiko Loureiro talvez é um dos primeiros nomes lembrados internacionalmente quando o assunto é guitarra, por sua virtuosidade e por seus trabalhos de enorme sucesso, como o Angra e, agora, o Megadeth, Kiko sempre é lembrado como um dos guitar heroes mundiais. Em entrevista por telefone, Kiko Loureiro falou com o #VamosMusicalizar sobre a sua entrada no Megadeth, confira:

Dante Albarelli: Kiko! Que grande honra! Primeiro, gostaria de saber se as diferentes plateias para que você toca em todo o mundo tiveram, e ainda têm, um impacto sobre você, porque você é do Brasil, onde as pessoas cantam muito alto e você tem o tocado muito na Europa, onde as pessoas talvez não gostem de cantar muito e preferem apenas sentar-se quietamente e ouvir. Isso teve um impacto em você?
Kiko Loureiro: Bem, desde o início, porque toquei na Europa desde a década de 90, então tive esse sentimento de ser realmente diferente. Quando comecei a tocar com o Angra na Europa pela primeira vez, e também no Japão, que é bem diferente. Eu sou da Europa e da América do Sul e, mesmo na América do Sul, os países são um pouco diferentes e, no Brasil, as cidades são um pouco diferentes, então eu meio que aprendi com expectativas. Penso que, para mim, a maior coisa para o Megadeth é o mercado dos EUA e o Canadá, porque com Angra toquei apenas algumas vezes nos EUA, fizemos um festival. E os fãs são acostumados com o metal progressivo europeu, então fui exposto a um novo tipo de público. Eu estive olhando as chances ao longo dos anos, mas ainda assim, o Japão mudou muito em 15 anos: lembro de fazer shows em teatros com assentos, agora eles estão mais relaxados, como saltar e coisas assim. Mas sim, é sempre uma grande diferença quando toco na América do Sul. Para Dirk, foi a primeira vez na América do Sul, acho que, se você tocar sua vida inteira para as multidões europeias e de repente você vai para a América do Sul, é um grande problema.
Resultado de imagem para kiko loureiroPara mim, eu era aquele cara na multidão, então eu sei. Na verdade, eu era o fã sul americano na multidão em 91, assistindo o Rust In Peace Tour, isso é legal, certo? Eu sei a diferença, às vezes é muito chocante, principalmente quando você está percorrendo a América do Sul e de repente você está em um clube na Alemanha e os caras estão apenas de pé observando você, é meio estranho. Mas então você toca mais algumas vezes e você gosta disso, é um desafio, porque você precisa conquistar essas pessoas. Você sabe que eles gostam, eles são verdadeiros fãs de Metal, é apenas uma maneira diferente de ver os shows.

Dante Albarelli: Eu vi em seus stories do Instagram que você toca flauta e piano e que você interpreta muitos padrões de Jazz e Bossa, música brasileira. Você faz isso regularmente?
Kiko Loureiro: (Risos) Não, a flauta era apenas um pouco, eu apenas praticava algumas escalas. O piano havia um tempo que costumava praticar, então eu sei como tocar alguns acordes, algumas pequenas coisas. Eu não sou um excelente pianista, não me chamo de pianista, mas isso me ajuda muito a compor. Na verdade, eu fiz a música do Megadeth, ‘Poisonous Shadows’, a parte final do piano foi quem gravei. E parece um cara que não toca piano, não há coisas super rápidas ou algo assim, mas é assim que eu toco. Eu componho muitas coisas no piano, mas não sou um virtuoso. Não consigo expressar escalas rápidas.
A flauta era como "como posso tirar uma distração do violão?". Às vezes eu fico cansado de tocar violão, você sabe, a pressão disso. Algumas vezes eu só quero tocar outra coisa em um instrumento diferente e me divertir. Eu pensei, "por que não?". É pequeno, fácil de transportar na bagagem, e tocar alguns padrões, como você disse, e então tente tocar as mesmas coisas na guitarra, Jazz e algumas coisas brasileiras que eu gosto muito, eu estava mais dentro disso em tempos diferentes da minha vida.

Dante Albarelli: Ok, ótimo. Provavelmente você tem muito essa pressão, mas qual é a sua música Megadeth preferida para tocar ao vivo?
Imagem relacionadaKiko Loureiro: Cara, é algo que as pessoas me perguntam e é muito difícil. Eu adoro tocar todas as músicas, antes de tudo. Elas são todas hits e grandes músicas, e todas têm vibrações diferentes, eu vejo os diferentes momentos da composição da banda. Eu gosto de tocar muito a canção "Dystopia", acho que tem um pouco de tudo, como um riff legal e depois muda no final para um groove diferente, um final legal comigo e Dave tocando a parte do violão, tem muitos backin’ vocals e bons solos. É uma música que é como uma coletiva de ideias, é uma canção legal para mencionar. Mas, você sabe, ‘Symphony’ [of Destruction] ou ‘Peace Sells’ as pessoas cantam junto. Eu gosto de tocar ‘Sweating Bullets’, porque vejo a multidão cantando todo o verso, isso é impressionante.

Dante Albarelli: Isso é impressionante, Kiko! Eu só tenho mais uma pergunta: como se sente para preencher os lugares de outros grandes guitarristas, como Chris Poland, [Chris] Broderick e Marty Friedman?

Kiko Loureiro: Bem, antes de tudo, é um trabalho difícil. Eu sou um grande fã deles, e tive que aprender seus solos, é ótimo. É uma banda que tem esses excelentes guitarristas, Al Pitrelli também. É um grande legado de guitarristas, e também estou lá, então estou muito feliz e abençoado, eu me sinto ótimo sobre isso. Não é um trabalho fácil tocar esses solos tão perto da versão original, mas ainda tento tocar a maneira como eu ouço. Eu não passo por cada nota para ser uma cópia exata, mas eu tento estar o mais próximo possível da maneira como eu ouço o solo. Então eu gosto muito disso. Marty tem uma espécie de sentido melódico e beleza em seus solos, a estrutura de seus solos é ótima. Chris Poland tem esse tipo de fusão, muito rápido e muito difícil de imitar. Na verdade, para mim é muito mais difícil imitar os solos de Chris Poland.
Anterior
Próximo »
0 Comentar